quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

FIM DE TARDE

Olho na estrada um inicio de aperto
ainda é dia... há que se esperar o retorno
haverá de chegar, sempre chega...
um sonho trazido com vento
um desejo que é apagado;
chega de mansinho a saudade com suspiro,
uma lembrança com sorriso.
há um trilho por onde se caminhou
ou se caminha todos os sentimento que podem
 adormecer e de repente despertar, ou está vivo e saudavel
pela manhã e ao entardecer dar seu ultimo suspiro.
Tão lenta e discretamente a noite chega
aos poucos tingido o céu de negro
e a espera fadonha continua
o aperto agora incomoda e o desespero toma o peito
olho na estrada
olho nos trilhos
a noite já banhou os campos
e a estrada foi coberta por um negro
como o desespero, 
a espera cansa...                              

há de chegar!!!